Programa de Publicações Digitais da
Cultura Acadêmica Editora
lança 44 títulos para download gratuito.

PROPG - DIGITAL
Esta coleção surge em função da tradicional parceria entre a Pró-Reitoria de Pós-Graduação da UNESP - PROPG - e a Fundação Editora da UNESP, ambas responsáveis pelo lançamento de centenas de títulos e novos autores da Universidade em outros programas editoriais com suporte em papel. Sintonizada com as tecnologias da textualidade eletrônica e também com a transmissão gratuita de conhecimento gerado nas pesquisas da universidade pública, a Coleção PROPG-DIGITAL é também a primeira experiência da Fundação com o livro digital e será importante laboratório de novas iniciativas nesta área que conquista gradualmente seu lugar no imenso universo de possibilidades da publicação e da leitura acadêmica.Veja alguns dos títulos abaixo:

 

Fim de semana da dança de contato improvisação em Natal.

Os professores dançarinos Ana Flecha (EUA), Fernando Neder (RJ) e Ricardo Neves (SP) farão worshops pela manhã e à tarde, com sessões de jams à noite. Além disso, haverá apresentação de performances com os integrantes do projeto (COM) TATOS e IMPROVISAÇÕES.





O evento visa divulgar a prática do contato-improvisação e do curso de extensão que existe na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Para participar é preciso enviar um email para contatoemnatal@gmail.com. As atividades acontecerão no Departamento de Artes da UFRN (DEART) e na Escola de Danças do Teatro Alberto Maranhão (EDTAM), ambos no Campus Universitário Lagoa Nova.
Quem são os professores?
R.: Anna Flecha (USA), Fernando Neder (RJ) e Ricardo Neves (SP). Professores renomados no cenário nacional e internacional do meio artístico em que se desenvolve o Contato Improvisação.

Qual a dinâmica do evento?
R.: Os professores vão ministrar workshops (durante a programação de 3 dias pela manhã e tarde), participar das JAM's à noite (na praça do Campus, Anfiteatro, às 19 h) e à tarde no Parque das Dunas (sábado, às 15:30 h) e apresentar uma performance de alto nível de Contact Improvisation (Contato Improvisação) no espaço artístico do Barracão do Clowns junto com os integrantes do Projeto (Com)tatos e Improvisações. O objetivo do evento é a divulgação da Prática/Performance/Dança chamada Contato Improvisação e o projeto de extensão da UFRN que desenvolve pioneiramente esta prática no estado do Rio Grande do Norte e na cidade de Natal. Acredita-se que apenas a Universidade da Florianópolis-SC também realiza um projeto como esse.



Serviço:

Grupo de Teatro Clowns de Shakespeare
Rua Amâncio Ramalho, 8 | Lagoa Nova | Natal | RN | CEP 59056-080
E-mail: desembucha@clowns.com.br
Fone: (84) 3221.1816

De 28 a 30 de abril de 2010 NATAL será a capital do Encontro de Escritores de Lingua Portuguesa


O evento é uma iniciativa da Prefeitura de Natal e da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA) e visa promover o intercâmbio, debate e o conhecimento entre os escritores de língua portuguesa dos cinco continentes e a divulgação da literatura de língua portuguesa no mundo.

Para participar é preciso preencher a ficha de inscrição e enviá-la até o dia 13 de abril de 2010 para funcarte@natal.rn.gov.br ou uccla@uccla.pt.

O escritor João Ubaldo Ribeiro vai apresentar uma conferência sobre Cosmopolitismo, expressões populares e globalização no dia 29/04, às 15 horas, no Teatro Alberto Maranhão.

Os desafios das novas tecnologias na literatura é o tema da conferência do escritor angolano Agualusa, no dia 30, a partir das 15 horas, no TAM.

José Eduardo Agualusa [Alves da Cunha] nasceu no Huambo, Angola, em 1960. Estudou Silvicultura e Agronomia em Lisboa, Portugal. Os seus livros estão traduzidos para mais de vinte idiomas. Também escreveu várias peças de teatro: "Geração W", "Chovem amores na Rua do Matador", juntamente com Mia Couto, e o monólogo "Aquela Mulher".

O blog Fatos e Dados da Petrobras foi escolhido pela International Association of Business Communicators – IABC para receber o Gold Quill Awards 2010; na categoria “Excellence”, a maior concedida na premiação.

O prêmio Gold Quill da IABC é, há 37 anos, referência mundial no reconhecimento da excelência em comunicação empresarial. Os vencedores representam o que de melhor é realizado no segmento e são escolhidos após duas rigorosas avaliações de um grupo de profissionais de comunicação de várias partes do mundo. O blog Fatos e Dados concorreu na divisão “Communication Management”, categoria “Social Media” sob o título:

Blog Facts&Data: shifting the source-press relationship paradigm.

De acordo com a IABC, a categoria “Social Media” compreende as evoluções de novos instrumentos e práticas que permitem que indivíduos e grupos possam colaborar e compartilhar conhecimentos e experiências online. Estas ferramentas e práticas destinam-se a engajar públicos (interno ou externo) em diálogos, ao invés de apenas transmitir informações em uma única direção.

A cerimônia de premiação será realizada no dia 7 de junho, durante a Conferência Internacional da IABC, em Toronto, Canadá.


 Fonte (Imagem e Texto): BolshawBlog

O blog A TESSITURA DA INTRIGA, Estudos sobre a Interpretação das Narrativas reune vários ensaios, a maioria sobre estudos narrativos mediados, escritos em função do Projeto de Pesquisa Discurso Político, Teatro e Retórica da Mídia (desenvolvido na UFRN em 2008-2009), em que se elabora e aplica a leitura metateatral a diferentes textos, filmes, histórias em quadrinhos, seriados de TV. Marcelo Bolshaw Gomes autor do blog é jornalista, professor de Comunicação da UFRN e doutor em Ciências Sociais e seu objetivo é extrair dessas leituras um modelo para compreensão das narrativas contemporâneas.

Os Textos de Marcelo

Em tempos de Ipad, torna-se necessária a leitura do texto A LEITURA FORA DO LIVRO  de Lúcia Santaella
 
Fora e além do livro, há uma multiplicidade de modalidades de leitores. Há o leitor da imagem, desenho, pintura, gravura, fotografia. Há o leitor do jornal, revistas. Há o leitor de gráficos, mapas, sistemas de notações. Há o leitor da cidade, leitor da miríade de signos, símbolos e sinais em que se converteu a cidade moderna, a floresta de signos de que já falava Baudelaire. Há o leitor espectador, do cinema, televisão e vídeo. A essa multiplicidade, mais recentemente veio se somar o leitor das imagens evanescentes da computação gráfica, o leitor da escritura que, do papel, saltou para a superfície das telas eletrônicas, enfim, o leitor das arquiteturas líquidas da hipermídia, navegando no ciberespaço.

Em vez de discorrer sobre cada uma dessas modalidades, escolhi uma outra rota classificatória e histórica ao mesmo tempo. Percebi que por trás dessa multiplicidade, há três tipos ou modelos de leitores. Trata-se de uma tipologia que não se baseia na diferenciação dos processos de leitura em função das distinções entre classes de signos ou espécies de suporte desses signos, mas toma por base os tipos de habilidades sensoriais, perceptivas e cognitivas que estão envolvidas nos processos e no ato de ler, de modo a configurar modelos de leitor, como se segue:

1. O primeiro é o leitor contemplativo, meditativo da era pré-industrial, o leitor da era do livro e da imagem expositiva. Esse tipo de leitor nasce no Renascimento e perdura hegemonicamente até meados do século XIX.
2. O segundo é o leitor do mundo em movimento, dinâmico, mundo híbrido, de misturas sígnicas, um leitor filho da revolução industrial e do aparecimento dos grandes centros urbanos, o homem na multidão. Esse leitor, que nasce com a explosão do jornal e com o universo reprodutivo da fotografia e cinema, atravessa não só a era industrial, mas mantém suas características básicas quando se dá o advento da revolução eletrônica, era do apogeu da televisão.
3.O terceiro tipo de leitor é aquele que começa a emergir nos novos espaços incorpóreos da virtualidade. Vejamos cada um desses tipos em mais detalhes.
Antes disso, no entanto, vale dizer que, embora haja uma sequencialidade histórica no aparecimento de cada um desses tipos de leitores, isso não significa que um exclui o outro, que o aparecimento de um tipo de leitor leva ao desaparecimento do tipo anterior. Ao contrário, não parece haver nada mais cumulativo do que as conquistas da cultura humana. O que existe, assim, é uma convivência e reciprocidade entre os três tipos de leitores acima, embora cada tipo continue, de fato, sendo irredutível ao outro, exigindo inclusive habilidades perceptivas, sensório motoras e cognitivas distintas.

1. O leitor contemplativo, meditativo

Esse primeiro tipo de leitor tem diante de si objetos e signos duráveis, imóveis, localizáveis, manuseáveis: livros, pinturas, gravuras, mapas, partituras. É o mundo do papel e da tela. O livro na estante, a imagem exposta, à altura das mãos e do olhar. Esse leitor não sofre, não é acossado pelas urgências do tempo. Um leitor que contempla e medita. Entre os sentidos, a visão reina soberana, complementada pelo sentido interior da imaginação. Uma vez que estão localizados no espaço e duram no tempo, esses signos podem ser continua e repetidamente revisitados. Um mesmo livro pode ser consultado quantas vezes se queira, um mesmo quadro pode ser visto tanto quanto possível. Sendo objetos imóveis, é o leitor que os procura, escolhe-os e delibera sobre o tempo que o desejo lhe faz dispensar a eles. Embora a leitura da escrita de um livro seja, de fato, sequencial, a solidez do objeto livro permite idas e vindas, retornos, re-significações. Um livro, um quadro exigem do leitor a lentidão de uma dedicação em que o tempo não conta.

2. O leitor fragmentado, movente

Este leitor nasce com o advento do jornal e das multidões nos centros urbanos habitados de signos. É o leitor apressado de linguagens efêmeras, híbridas, misturadas. Mistura que está no cerne do jornal, primeiro grande rival do livro. A impressão mecânica aliada ao telégrafo e à fotografia gerou esse ser híbrido, testemunha do cotidiano, fadado a durar o tempo exato daquilo que noticia. Nasce com o jornal um tipo novo de leitor, o leitor fugaz, novidadeiro, de memória curta, mas ágil. Um leitor que precisa esquecer, pelo excesso de estímulos, e na falta do tempo de retê-los. Um leitor de fragmentos, leitor de tiras de jornal e fatias de realidade.
Com a sofisticação dos meios de reprodução, tanto na escrita quanto na imagem, com a reprodução fotográfica, a cidade começa a se povoar de signos, numa profusão de sinais e mensagens. As palavras, as imagens crescem, agigantam-se e tomam conta do ambiente urbano. Sinais para serem vistos e decodificados na velocidade. Como orientar-se, como sobreviver na grande cidade sem as setas, os diagramas, os sinais, a avaliação imediata da velocidade do burburinho urbano. O leitor do livro, leitor sem urgências, é substituído pelo leitor movente. Leitor de formas, volumes, massas, interações de forças, movimentos, leitor de direções, traços, cores, leitor de luzes que se acendem e se apagam.
Há uma isomorfia entre o modo como esse leitor se move na grande cidade, o movimento do trem e do carro e o movimento das câmeras de cinema. Velocidade que cria novas formas de sensibilidade e de pensamento, uma outra maneira de interagir com o mundo. Esbarrando a todo instante em signos, signos que vêm ao seu encontro, fora e dentro de casa, esse leitor aprende a transitar entre linguagens, passando das coisas aos signos, da imagem ao verbo, do som para a imagem com familiaridade imperceptível. Isso se acentua com o advento da televisão: imagens, ruídos, sons, falas, movimentos e ritmos na tela se confundem e se mesclam com situações vividas. Onde termina o real e onde começam os signos se nubla e mistura como se misturam os próprios signos.

3. O leitor virtual

O aspecto sem dúvida mais espetacular da era digital está no poder dos dígitos para tratar toda e qualquer informação, som, imagem, texto, programas informáticos, com a mesma linguagem universal, uma espécie de esperanto das máquinas. Graças à digitalização e compressão dos dados, todo e qualquer tipo de signo pode ser recebido, estocado, tratado e difundido, via computador. Aliada à telecomunicação, a informática permite que esses dados cruzem oceanos, continentes, hemisférios, conectando numa mesma rede gigantesca de transmissão e acesso, potencialmente qualquer ser humano no globo. Tendo na multimídia sua linguagem, e na hipermídia sua estrutura, esses signos de todos os signos, estão disponíveis ao mais leve dos toques, num click de um mouse. Nasce aí um outro tipo de leitor, revolucionariamente distinto dos anteriores. Não mais um leitor que tropeça, esbarra em signos físicos, materiais, como era o caso do leitor movente, mas um leitor que navega numa tela, programando leituras, num universo de signos evanescentes, mas eternamente disponíveis, contanto que não se perca a rota que leva a eles. Não mais um leitor que segue as seqüências de um texto, virando páginas, manuseando volumes, percorrendo com seus passos a biblioteca, mas um leitor em estado de prontidão, conectando-se entre nós e nexos, num roteiro multilinear, multi-seqüencial e labiríntico que ele próprio ajudou a construir ao interagir com os nós entre palavras, imagens documentação , músicas, vídeo etc. Trata-se de um leitor implodido cuja subjetividade se mescla na hipersubjetividade de infinitos textos num grande caleidoscópico tridimensional onde cada novo nó e nexo pode conter uma outra grande rede numa outra dimensão.

Enfim, trata-se aí de um universo inteiramente novo que parece realizar o sonho ou alucinação borgiana da biblioteca de Babel, uma biblioteca virtual, mas que funciona como promessa eterna de se tornar real a cada click do mouse.





A profa. Lucia Santaella disponibiliza um Portal onde são apresentadas várias pesquisas abordando o tema ciberespaço, como ela explica em um dos resumos do projeto FUNDAMENTOS BIOCOGNITIVOS DA COMUNICAÇÃO. APLICAÇÕES NOS PROCESSOS DE NAVEGAÇÃO NO CIBERESPAÇO:



Tendo por objeto de estudo as redes comunicacionais da teleinformática, este projeto parte da hipótese de que essas redes não se fazem mais entender sob um ponto de vista meramente tecnológico, exigindo, ao contrário, investigações situadas nas interfaces complexas da biologia com simulações computacionais e a interatividade cérebro e máquina. A partir do levantamento de alguns dos fundamentos bio-cognitivos da comunicação, este projeto visa estudar as transformações perceptivas-cognitivas implicadas nos processos de navegação no ciberespaço.
 


A UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte vai sediar nos dias 13 e 14 de maio de 2010, o I Encontro de História da Mídia do Nordeste, com a participação da conferencista argentina Maria Cristina Mata, da Universidade de Córdoba que vai abordar o tema: Memória, Espaço e Mídia.

O evento também propiciará a apresentação de diversas abordagens sobre a história da mídia no Nordeste, e em especial a mídia potiguar, já que muitos pesquisadores da UFRN e outras universidades do Rio Grande do Norte, terão a oportunidade para comunicar o resultado e/ou o andamento de suas pesquisas. Os resumos dos trabalhos podem ser enviados para avaliação até o dia 15 de abril de 2010.

GT1 - História do Jornalismo
Coordenadora: Kênia Maia (UFRN)
Ementa: História do jornalismo: aspectos teóricos e conceituais. Estudos de jornalismo: aspectos históricos. Os jornais como lugares de construção historiográfica. Os jornais como objeto de estudos históricos. Aspectos da conformação do campo profissional. A trajetória histórica do jornalismo e dos jornalistas no Brasil. Estudos de caso referentes a espaços sociais e veículos determinados. Os jornais como fonte historiográfica.

GT2 - História da Publicidade e Comunicação Institucional
Coordenadores: Ary Azevedo Jr (UFRN) e Lucimara Rett (UFRN)
Ementa: Estuda a história e os processos de comunicação e de relacionamento, internos e mercadológicos, estabelecidos entre as instituições, públicas, privadas e não governamentais, e seus diferentes públicos. Contempla aspectos teóricos, técnicos e práticos da publicidade e propaganda e da comunicação institucional, inclusive os ligados ao ensino e à pesquisa, bem como as suas interfaces com as mais variadas ciências. Trata das questões epistemológicas, culturais, ideológicas, éticas, estratégicas e de gestão do campo, bem como das múltiplas linguagens, estéticas, mídias, profissões e da organização do trabalho.

GT3 - História da Mídia Impressa
Coordenadores: Adriano Cruz (UFRN) e Ruy Alckmin (UFRN)
Ementa: Aborda a história da imprensa como mídia (massiva, erudita ou popular), valorizando sua relevância como mais antigo suporte industrial da informação no Brasil. O grupo tem recebido predominantemente trabalhos sobre a produção, a edição e a leitura de jornais, mas está aberto aos estudos sobre revistas, livros, volantes, enfim sobre os processos comunicacionais que fluem através dos impressos brasileiros.

GT4 - História da Mídia Sonora
Coordenadores: Hélcio Pacheco (UFRN) e Moacir Barbosa (UFRN)
Ementa: O grupo abrange trabalhos de pesquisas históricas sobre o rádio ou outros suportes que trazem a linguagem do áudio. Estuda-se a especificidade da linguagem, dos formatos, dos gêneros, da tecnologia, dos efeitos na recepção e busca-se resgatar personagens, programas, sonoridades ou a cobertura de episódios que marcaram a vida da sociedade brasileira, valorizando a diversidade regional.

GT5 - História da Mídia Visual e Audiovisual
Coordenadores: Maria Ângela Pavan (UFRN) e Itamar Nobre (UFRN)
Ementa: Resgatar, sistematizar e debater a história de temas e processos pertencentes à comunicação audiovisual (cinema, televisão, vídeo e outras mídias que combinem palavra, imagem e som) e pictórica (quadrinhos, cartuns, fotografias, cartazes e congêneres). O grupo acolhe reflexões desde o advento dessas formas de representação até os dias atuais, no cenário brasileiro e em estudos comparativos com o cenário internacional. Busca ainda focalizar os processos midiáticos e retratar personagens pioneiras e suas descobertas.

GT6 - Historia da Mídia Digital
Coordenadores: Juciano Lacerda (UFRN) e Taciana Burgos (UFRN)
Ementa: Objetivo é construir a memória dos conteúdos digitais disseminados por intermédio da mídia on-line (redes de computadores), off-line (CD-ROM, DVD) e por dispositivos de comunicação sem fio como celular e assistente digital pessoal (Personal Digital Assistant – PDA), revelando processos, formas, técnicas e experiências precursoras desse novo sistema de comunicação social.

GT7 - História da Mídia Alternativa
Coordenadora: Socorro Veloso (UFRN) e José Zilmar Alves da Costa (UFRN)
Ementa: A presença de veículos alternativos (impressos, sonoros, audiovisuais e on-line) na história da comunicação, compreendendo os seguintes enfoques: mídia alternativa em tempos de repressão; mídia nos movimentos de resistência; comunicação nas organizações populares; mídia e minorias representativas; demais formatos e alternativas de produção popular/comunitária/independente. As pesquisas envolvem a memória dos meios alternativos, sua participação em determinado período histórico, características da mídia alternativa e abordagens teórico-conceituais sobre o tema.

GT8 - Historiografia da Mídia
Coordenador: Sebastião Guilherme Albano (UFRN)
Ementa: O objetivo deste GT é discutir temáticas que problematizem a produção do conhecimento contemporâneo na interseção entre mídia e história. Dois aspectos fundamentais: a escrita histórica contemporânea em sua relação com a escrita midiática e a produção de história, memória e esquecimento a partir dos meios de comunicação. Investiga-se também a produção do acontecimento histórico/memorável na relação mídia e história; temporalidade e meios de comunicação; hermenêutica histórica e mídia; memória e meios de comunicação, narrativa da história e narrativa da mídia, a história como produto midiático; escrita midiática como escrita da história; o passado como objeto dos meios de comunicação.

Os pesquisadores poderão apresentar:
a) Comunicações Científicas – CC (artigos escritos por docentes, pesquisadores e/ou estudantes de pós-graduação):
b) Iniciação Científica – IC (trabalhos produzidos por estudantes dos cursos de graduação, graduados e com especialização)
c) Memórias de experiências ou Depoimentos de especialistas – MD (textos produzidos pelos profissionais ou empresários que atuaram como testemunhas oculares da história da mídia ou das respectivas profissões).

A prof. dra. Maria das Graças Pinto Coelho, coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Mídia (PPGEM) da UFRN vai mediar a mesa redonda sobre o Espaço da Mídia Nordestina que contará com a participação de Durval Albuquerque (UFRN), Erotilde Honório (UNIFOR) e Catarina Tereza Oliveira (UFC).

A mesa de encerramento, que tratará da Memória da Mídia Nordestina, será mediada pela profa. dra. Josimey Costa (UFRN) e contará com a presença de Marialva Barbosa (UFF), José Marques de Melo (Cátedra da UNESCO/METODISTA) e Sonia Meneses (URCA).

Para se inscrever é necessário preencher a ficha de inscrição e enviá-la juntamente com o comprovante de pagamento da taxa de inscrição para o e-mail redealcarne@gmail.com ou redealcarne@cchla.ufrn.br.

I Encontro de História da Mídia no Nordeste no Ciberespaço:


Dia do Jornalista

Posted by recunha abril 07, 2010 0 comments


O ciberespaço inaugura uma nova percepção do tempo e do espaço, e neste sentido parece pertinente falar, como o faz Levy de um universal aberto: "onipresença da informação, documentos interativos interconectados, telecomunicação recíproca e sem sincronia de grupo e entre grupos: o caracter virtualizador e desterritorializador do ciberespaço o converte em um vetor de um universal aberto. Simetricamente, a extensão de um novo espaço universal dilata o campo de ação dos processos de virtualização". Os processos de virtualização implicam em uma crescente desterritorialização de toda sorte de atividades. Dito de outro modo, as atividades financeiras, midiáticas e de informação só podem circular no ciberespaço se, ao mesmo tempo, reformulam suas práticas no sentido de desterritorializar-se.

Álvaro Cuadra é o autor do livro "De la ciudad letrada a la ciudad virtual". 

    Arquivo

    Cultmidiáticos