De Certeau A Invenção do Cotidiano

Posted by recunha outubro 14, 2009 0 comments


Publicado originalmente em 1980, "A Invenção do Cotidiano", de Michel de Certeau, é um livro pioneiro nesse exercício de desvendar as práticas culturais contemporâneas, vistas aí, não mais do ângulo elitista da razão técnica e produtivista, mas pelo lado mais fraco da produção cultural: o da recepção anônima, da cultura ordinária, da criatividade das pessoas comuns. Para além de certa vertigem populista, por aí já se vê que estamos diante de um livro difícil que não se contenta em definir, ingenuamente, o popular através do povo e/ou vice-versa. Profundamente insatisfeito com as teorias sociais, que pintam o quadro de uma sociedade estruturada em papéis abstratos e estereótipos, Certeau procura esboçar uma teoria das práticas cotidianas e identificar uma espécie de lógica operatória nas culturas populares. Lógica do avesso e da teimosia, fundada quase que apenas no real, pois recusa a escrita como espaço da dominação e do controle; lógica do informal, porque utiliza suas táticas conforme as estratégias dos outros; lógica do instável, porque, sem qualquer ponto de ancoragem emocional busca, afinal, a própria sobrevivência.


Lógica que é muito mais uma "arte de fazer", pois as experiências do homem ordinário não se deixam aprisionar pela linguagem escrita: quer se trate da voz do selvagem, dos primeiros relatos etnográficos, do ato de assistir TV ou de enveredar pelas inesperadas ruas das grandes cidades. Certeau quer buscar uma lógica cujos modelos remontam talvez às astúcias multimilenares dos peixes disfarçados ou dos insetos camuflados e que, em todo caso, é ocultada por uma racionalidade hoje dominante no Ocidente. Por isso, busca exemplos em tradições, provérbios e atitudes que a cientificidade do Ocidente ocultou: a "Arte da Guerra" de Sun Tze, da tradição chinesa; ou o "Livro das Astúcias", da tradição árabe. Por E.T. SALIBA Prof.História USP, autor Utopias Românticas.

Atenção alunos da Disciplina Estudos da Mídia e Práticas Sociais PPGEM da UFRN
Sugestão de leitura para o Seminário do dia 15 de outubro de 2009:
Cap. V Artes da Teoria e Cap.VI O Tempo das Histórias (pp.131-166)


Posted by Elvira Pereira 0 comments

Um ano depois da morte de Eloá, Nayara muda de escola e tenta retomar a vida
Pai e avó afirmam que ela está bem, mas evita falar sobre o assunto. Tribunais analisam recursos que pedem liberdade para Lindemberg.Clique aqui:
http://g1.globo.com/noticias
Estão tentando libertar Lindemberg, mas, a que preço a sociedade faz todo um movimento para transmitir e mostrar um assassinato ao vivo e, depois, ninguém se responsabiliza por um sujeito que cedo ou tarde deverá voltar as ruas sem o devido tratamento?

Internet e as Eleições de 2010

Posted by recunha outubro 13, 2009 0 comments

Utilizar ferramentas tecnológicas com base na ciência da robótica para desenvolver uma inovadora proposta educacional. Foi com esse objetivo que um grupo de seis estudantes de graduação e pós-graduação, da área tecnológica e de educação da UFRN, com a orientação de dois professores, Ana Maria Guerreiro e Luiz Marcos Gonçalves, se reuniram e criaram a empresa Roboeduc.

Incubada pela UFRN, através do Núcleo de Aplicação de Tecnologia em Automação (NATA), e funcionando desde junho deste ano no Laboratório de Automação em Petróleo (LAUT), na própria instituição, a Roboeduc é a primeira empresa do gênero no Rio Grande do Norte e já dá sinais de que o investimento é promissor. Segundo Akynara Aglaé, mestranda em Educação e coordenadora pedagógica da empresa, a proposta educacional, com base na robótica, despertou o interesse das pessoas e a procura superou as expectativas. “A procura foi tão grande que tivemos de abrir uma nova turma”, afirma a coordenadora sobre o Clube de Robótica, voltado para crianças e adolescentes.

A empresa também oferece curso de capacitação de professores, aluguel e venda de kits de robótica, como também venda de oficinas temáticas abordando a informática (hardware e software), robótica e conteúdos curriculares. Para Akynara, a proposta da Roboeduc colabora para desmistificar a complexidade dessa ciência, que, segundo ela “a princípio assusta, mas depois as pessoas se surpreendem ao encontrar um universo lúdico e divertido. As duas experiências que tivemos com capacitação de professores foram assim. Primeiro eles ficaram receosos em participar, depois se surpreenderam para melhor”.

Apesar do pouco tempo de funcionamento a Roboeduc já comemora bons resultados de sua metodologia. Neste ano, a empresa preparou alunos do Colégio Contemporâneo para a III Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR), que aconteceu em Brasília (DF), e a equipe, batizada pelos estudantes natalenses de H1N1, ficou em quarto lugar na classificação geral do evento, concorrendo com mais de 400 equipes de todo o país.

Para Aquiles Burlamaqui, professor da UFRN e um dos sócios da empresa, isso foi só o começo. “É preciso incentivar a participação de alunos de outras instituições de ensino do Estado”, defende. Pensando nisso, ele explica que a Roboeduc juntamente com o laboratório Natalnet, da UFRN, irá organizar, no próximo ano, a etapa regional da Olimpídada, em Natal, com financiamento da FAPERN, que “já garantiu R$ 10 mil”.

Os benefícios da metodologia educacional da Roboeduc, segundo Akynara Aglaé, estão sendo comprovados cientificamente. “Estamos sempre apresentando artigos em congressos nas áreas de Educação e Computação, inclusive um dos integrantes da empresa, Samuel Azevedo, irá apresentar um desses artigos no Texas, ainda este ano”, ressalta, acrescentando que a empresa irá oferecer também, neste ano, o Clube de Robótica para universitários em um nível mais avançado de construção e programação de dispositivos robóticos.

Contatos com Akynara Aglaé no 9182 2232 e através do site http://www.roboeduc.com/, e no contato@roboeduc.com.

Fonte: AGECOM


Google Maps parece mesmo decidida a atuar por conta própria nos Estados Unidos. A empresa estava usando o Tele Atlas desde setembro de 2008 quando encerrou o contrato com a Navteq, adquirida pela Nokia.

Graças aos próprios veículos de captação de imagens (Street View) o Google Maps e o Google Earth conseguiram montar um complexo conjunto de registros, até dos locais mais obscuros dos Estados Unidos, além de outras capitais no mundo.

Além disso, o Google também fechou um acordo com o governo dos Estados Unidos para disponibilizar aos internautas informações catalogadas pelo Serviço Florestal e Pesquisa Geológica Americana.
O Censo Americano (US Census Bureau) também disponibiliza dados complexos e precisos aos internautas e segundo o Google tem sido fundamental para o projeto Open Street Map (Projecto colaborativo para criar um mapa livre e editável do mundo, inspirado por sites como a Wikipedia Mapa Aberto de Ruas).

Com a ferramenta Map Maker, (desenhe seu próprio mapa) é possível criar e editar mapas do Google, inserir direções, locais etc, mesmo que você não seja um geógrafo ou cartógrafo. A idéia é contar com a colaboração dos internautas para correção dos erros, e até inserção de novos mapas em países onde não existiam mapas precisos até agora. E isso já pode ser verificado pelos novos mapas, que embora ainda possam conter erros, mostram que o detalhe global aumentou, e em alguns casos até é possível consultar dados para os limites (fronteiras) de terras de algumas cidades. Para saber mais leia o Blog Latitude Longitude do Google.

O que todo mundo quer saber, na verdade, é o que o Google vai fazer com todos esses mapas? Serviços de mapeamento são caros e a proteção destes dados sempre foi motivo de conflitos. Talvez o Google esteja rompendo com as questões de licenciamento de mapas para poder disponibilizá-los abertamente. Vai conseguir? E a concorrência? Inclusive esta é uma das razões pela qual a Apple ainda não oferece a aplicação de construção de mapas no Iphone, por exemplo. De qualquer maneira a geografia é 'destino' e o espaço cartográfico permite visualizar ou localizar, estratégica ou taticamente, quase todos os capitais: cultural, social, econômico e simbólico, não é Bordieu?

O Comitê Executivo da II Conferência Nacional de Cultura adiou o prazo até 31 de outubro de 2009 para que os municípios realizem suas Conferências regionais de Cultura. A resolução foi assinada pela presidente do Comitê Executivo Nacional, Silvana Meireles e afirma que "em respeito ao valor superior da participação popular, consubstanciado no princípio da cidadania, fundamento da República Federativa do Brasil, e considerando que a ampla participação da população brasileira no processo de realização das etapas da II CNC deve refletir a amplitude dos direitos políticos, em especial no que se refere à possibilidade de tomada de parte nas decisões sobre políticas públicas, resolve determinar que a convocação das etapas municipais da II Conferência Nacional de Cultura - CNC, poderá ser feita pelos Poderes Legislativo e Executivo Municipais, valendo aquela que primeiro for publicada, desde que em respeito à data limite para sua realização, 31 de outubro de 2009, e que não resultem em prejuízo à realização da respectiva etapa estadual (prazo até 15/12/09). Saiba mais: Blog da II CNC

A II Conferência Nacional de Cultura (II CNC), está agendada para acontecer em Brasília de 11 a 14 de março de 2010. A conferência terá a coordenação da Secretaria de Articulação Institucional do Ministério da Cultura (SAI/MinC) e contará com apoio de uma Comissão Organizadora Nacional e um Comitê Executivo, que serão instituídos e terão como membros representantes das secretarias e vinculadas do MinC, CNPC, órgãos e instituições parceiros convidados.

Os principais temas a serem desenvolvidos estão apoiados em cinco eixos:

* Produção Simbólica e Diversidade Cultural, focado na produção de arte, promoção de diálogos interculturais, formação no campo da cultura e democratização da informação;
* Cultura, Cidade e Cidadania, voltado às cidades como espaço de produção, intervenção e trocas culturais, garantia de direitos e acesso a bens culturais;
* Cultura e Desenvolvimento Sustentável, que discutirá a importância estratégica da cultura no processo de desenvolvimento;
* Cultura e Economia Criativa, que abordará a economia como estratégia de desenvolvimento; e
* Gestão e Institucionalidade da Cultura, que visa o fortalecimento da ação do Estado e da participação social no campo da cultura.




O professor Crispiniano Neto, repentista, cordelista e também presidente da Fundação José Augusto, aqui em Natal/RN é um dos convidados especiais da VII Bienal Internacional do Livro que se encerra hoje em Olinda, Pernambuco.


Crispiniano Neto ocupa a cadeira de n° 26 da Academia Brasileira de Literatura de Cordel. É o terceiro poeta norteriograndense a tornar-se imortal da ABLC, e ficou conhecido por lançar, entre outras publicações, o livro “Lula na Literatura de Cordel”, da editora Queima-Bucha, resultado de uma pesquisa que retrata, em cordel, a trajetória do presidente Lula.




A primeira exibição pública de Lula, O Filho do Brasil, marcada para 23 de novembro foi adiada para o dia 1º de janeiro de 2010. No elenco estão Rui Ricardo Diaz, Glória Pires, Cleo Pires, Juliana Baroni e Milhem Cortaz, entre outros.

    Arquivo

    Cultmidiáticos