Fonte: UFRN






Local:
Inscrições na secretaria da Superintendência de Comunicação para estudantes de comunicação do 7º periodo com habilitação em radialismo ou reingressante formados em radialismo.



Período:




 22/02/2010 a 26/02/2010


Contato:



O projeto visa desenvolver aplicativos para a produção, edição e difusão de conteúdo audivisual pela internet e TV Digital.


Informações pelo telefone 55 (84) 3215-2443.












Relatório Final de Propostas Estratégicas para o Audiovisual do RN
Informações sobre a Reunião que deliberou sobre as propostas:(formulário/modelo do MinC)

1. DATA 08/02/2010
2. UF: RN
3. MUNICÍPIO: NATAL
4. LOCAL DE REALIZAÇÃO (com endereço completo): Fundação José Augusto – Auditório do Teatro Poeta Franco Maria Jasiello – rua Jundiaí, 641 – Tirol – Natal – RN ---- REDAÇÃO E COMPILAÇÃO DAS PROPOSTAS PARA O RELATÓRIO FINAL: Sonia Regina Soares da Cunha (Delegada Suplente do Audiovisual do RN)
5. INFORMAR AS ORGANIZAÇÕES PARTICIPANTES: representantes da sociedade civil, pessoas ligadas ao setor do audiovisual
6. INFORMAR O NÚMERO DE PESSOAS PARTICIPANTES: 14 presentes na reunião do dia 08/02/2010

INTRODUÇÃO:
(Descrever de forma sucinta como foi a preparação e realização da reunião.)
Após a eleição dos delegados e suplentes do audiovisual do RN, em 20/01/2010, foram realizadas três reuniões, nas seguintes datas: 01/02/2010, 08/02/2010 e 18/02/2010.
O relatório final das propostas foi definido na reunião do dia 8 de fevereiro de 2010, das 14 horas e às 18 horas.
Durante a reunião, os presentes apresentaram e discutiram várias propostas, por eixo temático da II CNC, visando atender às demandas daqueles que atuam e contribuem para o fortalecimento do setor do audiovisual potiguar, sempre pensando no enriquecimento cultural daqueles que usufruem do trabalho produzido na área do audiovisual do Rio Grande do Norte, ou seja, que o audiovisual potiguar estabeleça uma ponte para o crescimento e desenvolvimento intelectual, cultural e social entre produtores e consumidores. O relatório final foi redigido, lido e aprovado pelos representantes presentes.

DESENVOLVIMENTO:
(desenvolvimento da reunião, debate e definição das propostas estratégicas)
Compreendendo-se que o tema geral da II Conferência Nacional de Cultura é Cultura, Diversidade, Cidadania e Desenvolvimento, chegou-se a um relatório final que possa contemplar todos os eixos contidos no regulamento, de maneira abrangente, visando atender, na medida do possível, os anseios da sociedade potiguar, no que concerne ao setor do audiovisual


EIXO I – PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL
  1. Formação de público (através especialmente de ações cineclubistas) de tal forma que a diversidade cultural brasileira possa ser registrada em audiovisual (produção simbólica) e que tenha espaço para divulgação, podendo assim, ser apreciada pelos cidadãos.
EIXO II - CULTURA, CIDADE E CIDADANIA
  1. Fortalecimento e democratização das gestões, ações e programas de difusão;
  2. Inclusão do audiovisual nos Parâmetros Curriculares do Ministério da Educação (Audiovisual como ferramenta pedagógica);
  3. Estabelecimento de edital público para promover a exibição da produção audiovisual independente em emissoras comerciais – tevê aberta (onde a publicidade não seja contabilizada na cota de produção local);
  4. Resgate da memória audiovisual, através de uma cartografia brasileira que contemple, na medida do possível os estados brasileiros;
  5. Programadoras regionais semelhantes à Programadora Brasil; e
  6. Criação de museus regionais da Imagem e do Som.
EIXO III - CULTURA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
  1. Criação de políticas de formação de mão-de-obra (através de centros especializados e/ou técnicos, e também, por exemplo, nas universidades e institutos federais), a saber:
  1. Formação e atualização de técnicos e de público para o audiovisual, democratizando-se assim, instrumentos e ações públicas em todos os municípios brasileiros.
  2. Estabelecimento de cotas específicas para formação, produção e difusão do Fundo Setorial Audiovisual, com a institucionalização, por leis específicas, através de editais cujos prêmios estimulem todos os níveis do audiovisual, inclusive as etapas do processo produtivo;
  3. Estabelecimento de cotas regionais democratizadoras que permitam a premiação de iniciantes;
  4. Estabelecimento de programas de capacitação para elaboração de projetos e captação de recursos com vistas ao incremento da produção audiovisual. (Exemplo: o edital de Micro Projetos Mais Cultura, poderia criar um edital de
    micro projetos em audiovisual para cada estado.)


IV - CULTURA E ECONOMIA CRIATIVA
  1. Estabelecimento de política pública em todos os níveis (federal, estadual e municipal) de desenvolvimento da economia audiovisual, com a criação, por exemplo de incubadoras de empresas, comissões de filmes, laboratórios digitais,
    coletivos de produção independente, bancos de dados profissionais, entre outros, em parceria com instituições financeiras, gestores e instituições públicas;
  2. Extensão da Previ-Cultura.
V - GESTÃO E INSTITUCIONALIDADE DA CULTURA
  1. Que o Estado possa atuar como articulador e executor das políticas públicas para o audiovisual, garantindo à sociedade o controle social, através da:
    1. Promoção da criação de Conselhos Deliberativos e Fiscais e/ou Ouvidorias Independentes para que haja a democratização da gestão das políticas públicas;
    2. Participação da sociedade civil organizada na elaboração, acompanhamento e controle das políticas públicas;
    3. Criação de secretarias de cultura, em municípios brasileiros onde ainda não existem, dotando-as com orçamento próprio (PEC 150);
    4. Criação, dotação de recursos e manutenção de organizações sociais e populares (cineclubes, cooperativas, núcleos, coletivos, enfim) e suas entidades representativas (incluindo recursos para a realização de reuniões, encontros, congressos, não apenas e somente, os que forem coordenados pelos governos federal, estadual e/ou municipal).
    QUADRO SÍNTESE DAS PROPOSIÇÕES:
    Estratégias Eixo
    Relacionado
    1 Promover a formação de audiência para a produção audiovisual (cineclube) Produção audiovisual em geral, com destaque para a produção simbólica e diversidade cultural
    2 Fortalecer ações de difusão Cultura, Cidade e Cidadania
    3 Audiovisual como ferramenta pedagógica (inclusão no PCN) Cultura, Cidade e Cidadania
    4 Cartografia Brasileira do Audiovisual Cultura, Cidade e Cidadania
    5 Registro da memória com acesso ao público em geral Cultura, Cidade e Cidadania
    6 Disponibilizar programadoras regionais Cultura, Cidade e Cidadania
    7 Promover a criação de MIS regionais Cultura, Cidade e Cidadania
    8 Promover a exibição da produção audiovisual independente na tevê aberta Cultura, Cidade e Cidadania
    9 Investir e capacitar a mão-de-obra iniciante, bem como, investir e atualizar os profissionais Cultura e Desenvolvimento Sustentável
    10 Promover o desenvolvimento da economia audiovisual Cultura e Economia Criativa
    11 Democratizar a gestão das políticas públicas através da criação de Cons. Del.e Fiscais Gestão e Institucionalidade da Cultura
    12 Criação e dotação (PEC150) de Secretarias de Cultura, em todos os municípios brasileiros. Gestão e Institucionalidade da Cultura

    LISTA DE PRESENÇA DA REUNIÃO DO AUDIOVISUAL SETORIAL RN
    Nº NOME e E-mail CPF Telefone p/contacto
    1 Cristóvão Pereira Souza

    84 8816-0157
    2 Alexandre Ferreira dos Santos

    84 9977-6464
    3 Renato Breno Macedo (renato.breno@16.com.br)
    84 8836-0775
    4 Luiz Antonio D.Borges (reverbo@hotmail.com)
    84 8855-4059
    5 Érica Conceição Silva Lima

    84 8805-5468
    6 Pedro Fiuza (pedrofiuza@gmail.com)
    84 8805-4666
    7 Yuno Silva (yuno.silva@gmail.com)
    84 8827-2006
    8 Buca Dantas (bucadantas@gmail.com)
    84 8851-1416
    9 Mary Land Brito (jornalistamary@yahoo.com.br)
    84 9921-1104
    10 Mathieu Duvignaud (matyeufoto@gmail.com)
    84 8886-9895
    11 Vlamir Cruz de Medeiros
    (
    mudernage@yahoo.com.br)


    12 Nelson Marques (marquesnel@uol.com.br)
    84 9406-8177
    13 Geraldo Cavalcanti (gerafilme@gmail.com)

    14 Sonia Regina S.da Cunha
    (
    ginauk@gmail.com)

    84 8899-91



















    Fonte II CNC

    A Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura divulgou os nomes dos delegados estaduais e do Distrito Federal que participarão da Pré-Conferência do Audiovisual, a ser realizada entre 23 e 25 de fevereiro de 2010, no Hotel Nacional, em Brasília-DF. 

    Os delegados foram escolhidos conforme os critérios estabelecidos no Regulamento das Pré-Conferências Setoriais de Cultura, aprovado pela Portaria nº 04/2009, da Secretaria de Articulação Institucional do Ministério da Cultura, publicada no Diário Oficial da União no dia 07 de dezembro de 2009, e na Resolução nº 07/2010, do Comitê Executivo Nacional da II Conferência Nacional de Cultura, de 25 de janeiro de 2010, que dispõe sobre a escolha dos delegados do Poder Público para as etapas das Pré-Conferências Setoriais. 

    Convém salientar que diversos candidatos não foram selecionados por não terem enviado dentro do prazo a documentação exigida no Regulamento. Dessa forma, em algumas Unidades da Federação não foi possível selecionar 3 delegados da sociedade civil e 1 do poder público local, conforme previsto.

    Para ver a lista de delegados selecionados para a Pré-Conferência do Audiovisual, clique aqui Lista de Delegados.


    Rio Grande do Norte (Natal)

    (delegado indicado pelo poder público)

    Geraldo Cavalcanti de Albuquerque 


    (delegados eleitos pela sociedade civil)

    Érica Conceição Silva Lima

    Mathieu Duvignaud 

    Yuno Silva










    Fonte: II CNC  
     

    Pré-Conferência Setorial do Audiovisual
    Programação e Dinâmica de Trabalho

    23 a 25 de Fevereiro de 2010
    Hotel Nacional, Brasília-DF


    Dia 23/2 – Terça-feira

    17h às 19h - Credenciamento e registro de candidaturas

    Dia 24/2 – Quarta-feira

    8h às 9h30 - Credenciamento e registro de candidaturas

    9h às 10h – Abertura oficial
    Juca Ferreira - Ministro de Estado da Cultura
    Silvio Da-Rin - Secretário do Audiovisual
    Manoel Rangel - Diretor-Presidente da Agência Nacional de Cinema (Ancine)
    Gustavo Vidigal – Secretário-Geral do Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC)
    Maurício Dantas – Coordenador-Geral das Pré-Conferências Setoriais de Cultura
    Representante do Congresso Brasileiro de Cinema (CBC)
    Representante do Fórum do Audiovisual e Cinema (FAC)

    10h – Intervalo para café

    10h15 às 12h - Aprovação do Regimento Interno da Pré-Conferência Setorial do Audiovisual.

    12h - Almoço

    14h – Grupos de Trabalho por eixo temático – Debate inicial

    16h – Intervalo para café

    16h15 - Grupos de Trabalho por eixo temático – Leitura e Defesa de Estratégias

    19h - Jantar

    Dia 25/2 – Quinta-feira

    9h às 15h – Processo de eleição dos indicados para Lista Tríplice do CNPC

    9h – Grupos de Trabalho por eixo temático - Elaboração de Estratégias

    10h30 – Intervalo para café

    10h45 – Plenária Setorial – Escolha de Estratégias

    12h30 - Almoço

    14h30 - Plenária Setorial – Eleição de Delegados

    18h – Encerramento

    Revista Tela Crítica (novo número)

    Posted by recunha fevereiro 16, 2010 0 comments


    Revista Tela Crítica de Sociologia e Cinema ISSN 1981-1209
    ____________________________
    Ano 06 Número 06 - Dezembro de 2009


    Ensaios
    ________________



    MANIFESTO DA ARTE INFORMATIZADA

    Os artistas e profissionais informatizados vieram para dizer que as telecomunicações existem, a corrida espacial existe, a bioengenharia existe. Existem também a velocidade, a simultaneidade, a instantaneidade, o paralelismo, o futuro e o progresso contínuo.

    E apesar de tudo, o amor não morreu, as artes não morreram, a poesia não morreu, as flores não morreram, Deus não morreu e a esperança ainda vive.

    A arte e a tecnociência não são inimigas, elas são irmãs que devem dar-se as mãos para melhorar a qualidade da vida humana, consumando a fusão dos espíritos apolíneo e dionisíaco.

    Todas as formas de arte e tecnociência devem permear-se para o progresso material, mental e espiritual do homem. Isto deve ser feito a partir de cada um em sua formação em que deve procurar fugir às formiguizações das escolas hiperespecializantes.

    A nova forma de arte informatizada não veio para acabar com as formas de arte do passado, mas para confirmá-las e aperfeiçoá-las. Contudo, os maiores empecilhos para que o homem entre na nova sociedade informatizada são o ódio, a inveja, o egoísmo, a pobreza, a fome e a injustiça. Por isso a arte informatizada é socialmente engajada e incumbe a todos os homens combater esses males sociais para que possa desabrochar o novo mundo da informática com sua sociedade e arte integradas com a tecnociência.

    Da mesma forma, como na luta pela independência tecnológica de informática devemos dirigir nossos esforços contra toda importação de enlatados, contra toda dependência tecnocultural nacional ou regional.

    Abaixo os loteamentos, feudos e leilões de direitos sobre os padrões de estética, ética e bem-estar.

    Abaixo o paroquialismo estreito, abaixo o falso universalismo entreguista.

    Salve a era da informação. Heitor Luiz Murat

      Arquivo

      Cultmidiáticos